Implicações da Codependência Familiar no Tratamento da Dependência Química: Uma Revisão Sistemática

Ana Paula Baldez Santos, Carla Caterine Silva Araújo, Leiliane Gonçalves de Figueredo

Resumo


A codependência, de maneira geral, pode ser entendida como o pacto de silêncio formado entre alguns membros familiares (ou um membro) de forma a culpabilizar-se pela doença do outro e vivenciar a vida do ente querido acima de sua própria vida. O codependente, na maioria das vezes, não tem noção que também precisa de tratamento. No Brasil, essa discussão na academia é recente, assim como a inserção de estratégias nas políticas públicas de saúde mental, como é o caso dos CAPS. Objetivo: Este estudo objetivou identificar estudos acerca das implicações da codependência familiar no tratamento da dependência química e as intervenções realizadas para amenizar essa problemática. Método: Para atingir o objetivo proposto foi realizado uma revisão sistemática através de busca eletrônica em bases de dados como: Scielo, Lilacs e Google Acadêmico, publicados nos últimos cinco anos tendo por indicação do estudo das três palavras-chave, pesquisadas individualmente ou através de operadores booleanos (AND, OR). Resultados: O estudo reafirma a importância do apoio aos familiares dos dependentes químicos e aponta a necessidade de pesquisa não só na área de saúde, mas, também, nas ciências sociais.


Texto completo:

PDF

Referências


Bakargi, G. M. L., & Oliveira, N. H. D. (2018). “Fui para o buraco com meu filho”: relações familiares e dependência química. Serviço Social & Realidade, 25(1).

Brasil. Conselho Nacional da Justiça. (2015). Resolução nº 01/2015. Brasília.

Brasil. Ministério Nacional de Saúde. (2011). Resolução nº 29/2011. Brasília.

Brasil. Ministério Nacional de Saúde. (2006). Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - SISNAD; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências.

Bortolon, C. B. et al. (2016). Family functioning and health issues associated with codependency in families of drug users. Ciencia & Saude Coletiva, 21, 101-107.

Carvalho, L. D. S., & Negreiros, F. (2011). A co-dependência na perspectiva de quem sofre. Boletim de psicologia, 61(135), 139-148.

Claus, M. I. S. et al. (2018). The family strengths in the context of psychoactive substance dependence. Escola Anna Nery, 22(4).

Costa, L. D. F. P. (2015). Desafios de familiares envolvidos no processo de cuidar de dependentes químicos.

Fernandes, A. M., & Soares, A. B. (2018). Codependentes de substâncias psicoativas: percepção de suporte social e qualidade de vida. Contextos Clínicos, 11(2), 206-216.

Fonseca, V. A. S., & Lemos, T. (2011). Farmacologia na Dependência Química. In: 2011. Diehl, A., Cordeiro, D. C., & Laranjeira, R. Dependência Química: Prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, p. 25-34.

Garcia, P. T., & Reis, R. S. (Org.). (2018). Redes de atenção à saúde: Rede de Atenção Psicossocial – RAPS. São Luís: EDUFMA.

Maciel, S. C. et al. (2018). Cuidadoras de dependentes químicos: um estudo sobre a sobrecarga familiar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34.

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5). (2014). Porto Alegre: Artmed.

Matos, M. T. S., Pinto, F. J. M., & Jorge, M. S. B. (2008). Grupo de orientação familiar em dependência química: uma avaliação sob a percepção dos familiares participantes. Revista Baiana de Saúde Pública, 32(1), 58-58.

Melo, C. D. F., & Cavalcante, I. S. (2019). A codependencia em familiares de adictos. Rev. pesqui. cuid. fundam. (Online), 304-310.

Miranda, R. (2018). Até que a droga nos separe: um olhar sobre a codependência. São Paulo: Libélula Publicações.

Moraes, L. M. P. et al. (2009). Expressão da codependência em familiares de dependentes químicos. Revista mineira de enfermagem, 13(1), 34-42.

ONU. Relatório Mundial sobre Drogas 2011.

Pereira, B. R. (2018). O papel da família no tratamento da dependência química de usuários atendidos no CAPS AD de Tubarão/SC. Psicologia-Tubarão.

Popia, E. et al. A contribuição do grupo de autoajuda na tratativa da codependência.

Pratta, E. M. M., & Santos, M. A. D. (2007). Família e adolescência: a influência do contexto familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros. Psicologia em estudo, 12(2), 247-256.

Sampaio, R. F. & Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para demonstração de critérios científicos. Rev. bras. fisioter. São Carlos, 11(1) 83-89.

Silva, M. P. et al. (2018). Codependência química: percepção de familiares de usuários de substâncias psicoativas de uma comunidade terapêutica do Sul do Brasil. Revista Enfermagem Atual In Derme, 86(24).

Zampieri, M. A. J. (2004). Codependência: o transtorno e a intervenção em rede. São Paulo: Ed. Agora.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.