Incidência de Depressão em Professores do Ensino Fundamental de Uma Escola Estadual do Município de Rolim de Moura – RO

Eberson Neves Luz, Eraldo Carlos Batista, Maria Letícia Marcondes Coelho Oliveira

Resumo


A depressão é um transtorno no qual os profissionais da educação estão sujeitos; esta é conceituada como um distúrbio afetivo que se caracteriza por alterações do humor como tristeza, desânimo e por sintomas cognitivos e físicos. Este estudo objetivou avaliar a prevalência de depressão em 11 professores das séries iniciais de uma escola estadual de ensino fundamental na cidade de Rolim de Moura – RO O estudo foi delineado por meio de uma abordagem descritiva quantitativa. O instrumento utilizado foi o Inventário de Depressão de BECK (BDI). Os resultados mostraram que a depressão não é prevalente entre a população pesquisada, entretanto em 45,45% dos participantes apresentaram níveis leve e moderado.  Conclui-se que a depressão é um transtorno de risco em diferentes proporções e suas consequências multidimensionais são potencialmente capazes de comprometer a saúde dos profissionais da educação.


Texto completo:

PDF

Referências


Batista, E. C., & de Matos, L. A. L. (2016). O trabalho docente no ensino superior e a saúde vocal: um estudo de revisão bibliográfica. Estação Científica (UNIFAP), 6(2), 67-77.

Batista, E. C., & Nascimento, A. B. (2015). Percepção de acadêmicos quanto ao estímulo à criatividade por parte de seus professores. Revista Brasileira de Ensino Superior, 1(2), 54-63.

Batista, E. C., Luz, E. N., & Brum, A. L. D. O. (2015). Autopercepção sobre as práticas docentes para o desenvolvimento da criatividade em uma instituição de ensino superior da Amazônia. Revista Intersaberes, 10(21), 595-612.

Batista, J. B. V., Carlotto, M. S., & Moreira, M. A. (2013). Depressão como causa de afastamento do trabalho: um estudo com professores do ensino fundamental. Psico, 44(2), 11.

Baptista, M. N., Baptista, A. S. D., & Oliveira, M. D. G. D. (1999). Depressão e gênero: por que as mulheres deprimem mais que os homens?. Temas em psicologia, 7(2), 143-156.

Beijo, C. L., Rolim, J. A., & Batista, E. C. (2019). Sintomas depressivos percebidos por professores de duas escolas públicas do interior de Rondônia, Amazônia, Brasil. Revista Sul-Americana De Psicologia, 7(1), 55-82.

Claro, I.. (2001). Depressão: causas, consequências e tratamento. [S.I.]: Scribd.

Cruvinel, M., & Boruchovitch, E. (2004). Sintomas depressivos, estratégias de aprendizagem e rendimento escolar de alunos do ensino fundamental. Psicologia em estudo, 9(3), 369-378.

Cunha, J. A. (2001). Manual da versão em português das escalas de Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Del Porto, J. A. (1999). Conceito e diagnóstico. Brazilian Journal of Psychiatry, 21, 06-11.

Dourado, D. M., Rolim, J. A., de Souza Ahnerth, N. M., Gonzaga, N. M., & Batista, E. C. (2018). Ansiedade e depressão em cuidador familiar de pessoa com transtorno mental. ECOS-Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 8(1), 153-167.

Fonseca, P. N. D., Chaves, S. S. D. S., & Gouveia, V. V. (2006). Professores do ensino fundamental e bem-estar subjetivo: uma explicação baseada em valores. Psico-USF, 11(1), 45-52.

Freitas, P. B., & Rech, T. (2010). O uso da terapia cognitivo-comportamental no tratamento do transtorno depressivo: uma abordagem em grupo. Barbarói, 98-113.

Gasparini, S. M., Barreto, S. M., & Assunção, A. Á. (2005). O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e pesquisa, 31(2), 189-199.

Justo, L. P., & Calil, H. M. (2006). Depressão: o mesmo acometimento para homens e mulheres?. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 33(2), 74-79.

Kuenzer, A. Z. (1999). As políticas de formação: a constituição da identidade do professor sobrante. Educação & Sociedade, 20(68), 163-183.

Lima, D. (2004). Depressão e doença bipolar na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, 80(2), 11-20.

Lisboa, P. (2011). Mais de 50% dos afastamentos de professores são por depressão. O diário, Maringá.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2006). Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Meleiro, A. M. A. S. (2002). O stress do professor. In: Lipp, M. E. N. (Org.). O stress do professor. 7. ed. Campinas: Papirus, p. 11-27.

Miller, J. A. (2003). O livro de referência para a depressão infantil. São Paulo: M. Books.

Nogueira Junior, R. (2009). Aprendendo a ensinar: uma introdução aos fundamentos filosóficos da educação. Editora: InterSaberes.

Oliveira, N. O. M. (2011). A incidência de depressão junto a professores do 1º ao 5º ano de uma escola estadual de ensino fundamental e médio do município de Rolim de Moura – RO. Rolim de Moura – RO, Trabalho de Conclusão de Curso para graduação em Psicologia.

Peron, A. P., Neves, G. Y. S., Brandão, M., & Vicentini, V. E. P. (2004). Aspectos biológicos e sociais da depressão. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, 8(1).

Pinheiro, MN, Sousa, WDC, Feitosa, JRT, & Batista, EC (2017). Identificação e compreensão dos sintomas depressivos na infância em contexto escolar: desafios contemporâneos do educador. Pedagógica: Revista do programa de Educação de Pós-Graduação-PPGE, 19 (40), 155-171.

Powell, V. B., Abreu, N., Oliveira, I. R. D., & Sudak, D. (2008). Terapia cognitivo-comportamental da depressão. Brazilian Journal of Psychiatry, 30, s73-s80.

Ribeiro, V. M. (1999). A formação de educadores e a constituição da educação de jovens e adultos como campo pedagógico. Educação & Sociedade, 20(68), 184-201.

Sieiro, A. A., & Fadini, A. C. Modernidade e depressão: novos significados para essa relação. São Paulo, 2005. Originalmente apesentado como trabalho de conclusão de curso para graduação em Psicologia.

Silva, N. R., Bolsoni-silva, A. T., & Loureiro, S. R. (2018). Burnout e depressão em professores do ensino fundamental: um estudo correlacional. Revista Brasileira de Educação, 23.

Soares, M. M., de Oliveira, T. G. D., & Batista, E. C. (2017). O uso de antidepressivos por professores. Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco, 7(12).

Souza, M. S. (2010). Evidências de validade e precisão para a escala de depressão de Baptista e Sisto (EDEP). Itatiba, SP, 2010. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade de São Francisco.

Strieder, R. (2009). Depressão e ansiedade em profissionais da educação das regiões da Amerios e da AMEOSC. Roteiro, 34(2), 243-268.

Webber, D. V. (2011). Profissão professor: desafios e possibilidades do direito ambiental laboral frente ao mal-estar docente. Caxias do Sul, RS, 2011. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade de Caxias do Sul.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.