curl err: Could not resolve host: 13cf3de235d7405dbeee0187511a2048.xyz A Relação Professor-Aluno e o Processo de Ensino e Aprendizagem | Souza | Revista Enfermagem e Saúde Coletiva - REVESC

A Relação Professor-Aluno e o Processo de Ensino e Aprendizagem

Adriana A. Marques de Souza, Regina Matias da Silva, Taline Oliveira Constâncio, Silvana Gomes da Silva

Resumo


Este ensaio objetivou discutir sobre a influência do relacionamento entre professor e aluno no processo de ensino e aprendizagem. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, fundamentada em autores como, Libâneo (2013), Mateus (2014), Morales (2001), entre outros. A que o professor e a peça fundamental no processo de ensino e aprendizagem. Assim sendo eles devem repensar suas práticas pedagógicas, utilizando meios que favoreça o aprendizado, devendo buscar novos conhecimentos para que a prática tenha bom resultados e os objetivos sejam atingidos, e que faça com que o aluno se torna crítico e criativo, possibilitando aprender de forma significativa, e que a escola pode através de mediação, proporcionar meios de intervenções que busca motivar e sensibilizar tanto o educando, quanto os educadores que reconsiderem sua metodologia, no ambiente educacional, obtendo ótimo resultado no processo de ensino e aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, M. C., & Masseto, M. T. (1990). O professor universitário em sala de aula. São Paulo: Editores Associados.

Almeida, K. (2017). Habilidades sociais de professores de uma escola estadual de ensino fundamental do interior de Rondônia. Unoesc & Ciência-ACHS, 8(1), 71-80.

Becker, F. (2012). A epistemologia do professor: o cotidiano da escola. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Batista, E. C., Mantovani, L. K. S., & Nascimento, A. B. (2015). Percepção de suporte familiar de alunos com histórico de reprovação escolar. Debates em Educação, 7(13), 50.

Batista, E. C., Luz, E. N., & Brum, A. L. D. O. (2015). Autopercepção sobre as práticas docentes para o desenvolvimento da criatividade em uma instituição de ensino superior da Amazônia. Revista Intersaberes, 10(21), 595-612.

Brasil. (1996). Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Educação. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio.

Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília,

Cordeiro, J. (2012). Didática. 2.ed.São Paulo: Contexto,

Chalita, G. (2004). Educação: a solução está no afeto.14. ed. São Paulo: Editora Gente.

Dos Santos Ferreira, A. C., Buonarotti, D. C. B., Queiroz, H. D. Z., de Araújo, S. R., & Batista, E. C. (2018). Dificuldades de aprendizagem e problemas emocionais do aluno: uma contribuição da psicologia escolar. Revista Interação Interdisciplinar, 2(1), 05-21.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: paz e Terra.

Garrido, E. (2006). Sala de aula: Espaço de construção do conhecimento para o aluno e de pesquisa e de desenvolvimento para o professor. In: Castro, A. D., & Carvalho, A. M. P. (Orgs.). Ensinar a ensinar: didática para escola fundamental e média. São Paulo: Thomson Learning. p.125- 139.

Gomes, A. M. D. A., et al. (2006). Os saberes e o fazer pedagógico: uma integração entre teoria e prática. Educar em Revista, (28), 231-246.

Goldani, A., Togatlian, M. A., & Costa, R. A. (2010). Desenvolvimento, emoção e relacionamento na escola. Rio de Janeiro: Epapers.

Libâneo, J. C. (2013). Didática. 2. ed. São Paulo. Cortez.

Libâneo, J. C. (2004). Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 8. ed. São Paulo: Cortez.

Lopes, A. O. (2015). Relações de Interdependência entre Ensino e Aprendizagem. In:

Veiga, I. P. A. (Org.). Didática: o ensino e suas relações. 18. ed. Campinas, S. P.: Papirus,

Luck, H., & Carneiro, D. G. (1999). Desenvolvimento afetivo na escola. 6. ed. Petrópolis. Vozes.

Luckesi, C. C. (2002). Avaliação da aprendizagem escola. 12. ed. São Paulo: Cortez.

Mateus, I. B. B. (2014). Didática. Maringá – PR.

Masetto, M. T. (1994). Didática: a aula como centro. São Paulo: FTD.

Misukami, N. M. G. (2016). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.B.

Moran, J. M. (1994). Novos caminhos do ensino à distância. Informe CEAD - Centro de Educação à Distância, Ano 1, n. 5, out/nov/dez. Rio de Janeiro: SENAI.

Morales, P. V. (2001). A relação professor-aluno o que é, como se faz. São Paulo. Editorial y Distribuidora.

Pinheiro, M. N., & Batista, E. C. (2018). O aluno no centro da aprendizagem: uma discussão a partir de Carl Rogers. Revista Psicologia & Saberes, 7(8), 70-85.

Sippe, F. E., dos Santos, J. D., de Araújo, S. C. A., & Batista, E. C. (2019). Cultura de Consumo e Construção Social da Identidade no Espaço Escolar. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, 4(2), 56-66.

Soares, J. F. S., Oliveira, M. L. M. C., Ferreira, D. F., & Batista, E. C. (2019). As habilidades sociais como fatores aliados às práticas do professor. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 17(1).

Vasconcellos, C. S. (2005). Construção do conhecimento em sala de aula. 16. ed. São Paulo: Libertad.

Veiga, I. P. A. (2012). Repensando a didática do ensino. Campinas SP: Papirus.

Weisz, T.; Sanchez, A. (2002). O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática.

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.