Dislexia e Prática Docente Numa Escola da Rede Pública de Ensino do Município de Rolim de Moura – RO

Criscilan Raiane de Freitas Ponce, Francisca Valda Gonçalves, Eraldo Carlos Batista

Resumo


Este estudo objetivou analisar as práticas de cinco professores de uma escola da rede pública de ensino do município de Rolim de Moura – RO com alunos disléxicos. A pesquisa foi realizada por meio de uma abordagem qualitativa do tipo descritiva. As informações foram coletadas por meio de uma entrevista semiestruturada e analisadas seguindo as orientações da Análise de Conteúdo. Os resultados apontaram que a Dislexia é compreendida pelos professores apenas como um transtorno relativo às dificuldades de escrita e leitura, desconsiderando outras características. Constatou-se, ainda, que os recursos oferecidos pela escola para o atendimento do aluno disléxico são escassos e a falta de investimento em formação continuada tem sido considerada pelos professores como uma dificuldade no atendimento ao aluno disléxico. Conclui-se que os professores têm se empenhado em desenvolver estratégias de acompanhamento que auxiliem no desenvolvimento escolar do aluno com dislexia. Contudo, faltam investimentos e efetivação de políticas públicas educacionais que deem suporte a esses profissionais no desenvolvimento de suas atividades.

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa, L. M. S. (2006). Psicologia: um diálogo entre a pedagogia e a educação. 2 ed. Curitiba. Bolsa Nacional do Livro.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Batista, E. C., Mantovani, L. K. S., & Nascimento, A. B. (2015). Percepção de suporte familiar de alunos com histórico de reprovação escolar. Debates em Educação, 7(13), 50.

Batista, E. C., de Matos, L. A. L., & Nascimento, A. B. (2017). A entrevista como técnica de investigação na pesquisa qualitativa. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 11(3), 23-38.

Berberian, A. P. (2003). Princípios norteadores da avaliação clínica fonoaudiológica de crianças consideradas portadoras de distúrbios de leitura e escrita. In: Berberian, A. P., Massi, G. A., & Guarinello, A. C. Linguagem escrita: referenciais para a clínica fonoaudiológica. São Paulo: Plexus. p. 11-38.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília,

Braun, P., & Vianna, M. M. (2011). Atendimento educacional especializado, sala de recursos multifuncional e plano de ensino individualizado: desdobramentos de um fazer pedagógico. Educação especial e inclusão escolar. RJ: Ed. UFFRJ.

Capovilla, A. G. S. (2008). Dislexia do desenvolvimento: definição, intervenção e prevenção. Revista Psicopedagogia, 25(78), 185.

Capovilla, A. G. S., & Capovilla, F. C. (2004). Alfabetização: método fônico. 3 ed. São Paulo, SP: Memnon, Fapesp.

Capovilla, A. G. S., & Capovilla, F. C. (2017). Etiologia, avaliação e intervenção em dislexia do desenvolvimento. In: Capovilla, F. C. (Org.) Neuropsicologia e aprendizagem: uma abordagem multidisciplinar. 2. ed. São Paulo: MEMNON, p. 49-76.

Capovilla, A. G. S. et al. (2004). Estratégias de leitura e desempenho em escrita no início da alfabetização. Psicologia Escolar e Educacional, 8(2), 189-197.

Capovilla, A. G. S., Capovilla, F. C., & Suiter, I. (2004). Processamento cognitivo em crianças com e sem dificuldades de leitura. Psicologia em estudo, 9(3), 449-458.

Coltheart, M. (1978). Lexical access in simple reading tasks. In: Underwood, G. (org.) Strategies of information processing. London: Academic Press.

Dos Santos Oliveira, F. R., de Souza, S. M., & Batista, E. C. (2020). Pensamento, Linguagem e Comunicação: um Ensaio Sobre Estes Processos Mentais na Prática Psicológica. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, 4(1), 41-49.

Dos Santos Ferreira, A. C., Buonarotti, D. C. B., Queiroz, H. D. Z., de Araújo, S. R., & Batista, E. C. (2018). Dificuldades de aprendizagem e problemas emocionais do aluno: uma contribuição da psicologia escolar. Revista Interação Interdisciplinar, 2(1), 05-21.

Ellis, A. W. (2001). Leitura Escrita e dislexia: uma análise cognitiva. 2. ed. Arimed. Porto alegre: artes Médicas>

Fonseca, V. (1995). Introdução às dificuldades de aprendizagem. 2. ed, Porto Alegre: Artes Médicas.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas,

Ianhez, M. E., & Nico, M. A. (2002). Nem sempre é o que parece: como enfrentar a Dislexia e os fracassos escolares. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Johnson, D. J., & Myklebust H. R. (1987). Distúrbios de Aprendizagem. São Paulo: Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais.

José, E. A, & Coelho, M.T. (2000). Problemas de aprendizagem. 12. ed. São Paulo: Ática,

LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Nº 9394. (1996). Brasília,

Martins, V. (2002). Dislexia e educação especial. In: Bello, J. L. P. (Org.) Pedagogia em Foco. Fortaleza.

Martins, V. (2002). Professor aponta a dislexia como maior causa do fracasso escolar. Zero-a-seis, 4(5), 1-2.

Martins, V. (2016). Educação especial, Dislexia e gafes linguísticas.

Nunes, C., Frota, S., & Mousinho, R. (2009). Consciência fonológica e o processo de aprendizagem de leitura e escrita: implicações teóricas para o embasamento da prática fonoaudiológica. Revista Cefac, 11(2), 207-212.

Oliveira, A. A. S., & Leite, L. P. (2000. Escola inclusiva e as necessidades educativas especiais. In: Manzini, E. J. (Org.). Educação Especial: temas atuais. Marília: UNESP Marília, p. 11-29.

Pereira, C. M., de Souza, G. M., da Costa, N. V. M., Rossini, R. P., Gomes, A. M., & Batista, E. C. Autoeficácia Percebida por Estudantes do Primeiro Período de um Curso de Pedagogia. Revista Científica FAEST–RECF, 6(1)13-23.

Pimenta, S. G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e pesquisa, 31(3), 521-539.

Pinheiro, M. N., & Batista, E. C. (2018). O aluno no centro da aprendizagem: uma discussão a partir de Carl Rogers. Revista Psicologia & Saberes, 7(8), 70-85.

Rodrigues, M. Z., & Silveira, L. (2008). Dislexia: distúrbio de aprendizagem da leitura e escrita no Ensino Fundamental. 24 abr.

Rocha, E. H. (2004). Crenças de uma professora e seus alunos sobre o processo de ensino-aprendizagem. Dissertação de Mestrado Não-Publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.

Tavares, H. V. (2008). Apoio pedagógico às crianças com necessidades educacionais especiais, São Paulo.

Teles, P. (2004). Dislexia: como identificar? Como intervir? Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, 20(6), 713-30.

Trettel, U. R., & Batista, E. C. (2008). A Importância da brincadeira no processo de ensino e aprendizagem na educação infantil. Revista Científica FAEST, 4(1)18-31.

Visca, J. (2010). Clínica psicopedagógica e epistemologia convergente. Porto Alegre: Artes Médicas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.