curl err: Could not resolve host: 13cf3de235d7405dbeee0187511a2048.xyz As Práticas Educativas Parentais e Suas Consequências nos Comportamentos dos Filhos | Santos | Revista Enfermagem e Saúde Coletiva - REVESC

As Práticas Educativas Parentais e Suas Consequências nos Comportamentos dos Filhos

Lucimara Cristina dos Santos, Maria Letícia Marcondes Coelho Oliveira

Resumo


Os pais utilizam de um repertório de estratégias educativas para fazer com que os seus filhos tenham comportamentos socialmente aceitáveis, desta forma as crianças aprendem regras, normas e modos de interagir. As estratégias são classificadas tanto como coercitiva e indutiva quanto como negativa e positiva. As coercitivas e negativas são punições físicas e verbais, privação de privilégios, falta de atenção e afeto. As estratégias indutivas e positivas são desenvolvidas através do diálogo, regras, atenção e carinho. O presente artigo tem o propósito de descrever as práticas educativas dos pais e suas consequências nos comportamentos dos filhos sob o enfoque da Teoria Cognitiva Comportamental (TCC), conceituando as práticas educativas parentais, os tipos e suas consequências, além de apresentar a técnica de treinamento de pais da Terapia Cognitiva Comportamental. Este trabalho baseou-se, no método indutivo, com abordagem qualitativa, a partir de um estudo de revisão bibliográfica. Percebe-se uma concordância entre os autores em relação às estratégias dos pais e o desenvolvimento de comportamentos aceitáveis ou não dos filhos. Deste modo, os pais devem proporcionar um ambiente seguro e incentivador que tenha limites e disciplina, sendo estratégias indispensáveis para o desenvolvimento de comportamentos adequados e futuramente adultos com condutas assertivas.


Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, M. M. (2006). Introdução à metodologia do trabalho cientifico. São Paulo: Atlas.

Asbahr, F. R.; Ito, L. M. (2008). Técnicas cognitivo-comportamentais na infância e adolescência. In: Cordioli, A. V. Psicoterapias: abordagens atuais. Porto Alegre: Artmed.

Batista, E. C., Mantovani, L. K. S., & Nascimento, A. B. (2015). Percepção de suporte familiar de alunos com histórico de reprovação escolar. Debates em Educação, 7(13), 50.

Bee, H. (2003). A criança em desenvolvimento. 9. ed. Porto Alegre: Artmed.

Castro, R. E. F. D., Melo, M. H. D. S., & Silvares, E. F. D. M. (2003). O julgamento de pares de crianças com dificuldades interativas após um modelo ampliado de intervenção. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 309-318.

Cecconello, A. M., De Antoni, C., & Koller, S. H. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em estudo, 8(spe), 45-54.

Cia, F., Pamplin, R. C. D. O., & Del Prette, Z. A. P. (2006). Comunicação e participação pais-filhos: Correlação com habilidades sociais e problemas de comportamento dos filhos. Paidéia (Ribeirão Preto), 16(35), 395-406.

Cunha, A. P. O., Ferreira, D. F., & Batista, E. C. (2020). A Dependência Química e as Implicações ao Funcionamento da Dinâmica Familiar: uma Visão Cognitivo–Comportamental. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, 4(2), 2-9.

Dos Santos Oliveira, F. R., de Souza, S. M., & Batista, E. C. (2020). Pensamento, Linguagem e Comunicação: um Ensaio Sobre Estes Processos Mentais na Prática Psicológica. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, 4(1), 41-49.

Guzzo, R. S. L., & Marques, C. A. E. (2007). Desenvolvimento infantil: família, proteção e risco. Campinas, São Paulo: Editora Alínea.

Labbadia, E. M., & Castro, L. L. (2008). Intervenções para pais de crianças e adolescentes em terapia cognitivo-comportamental. In: Cordioli, A. V. (Org.). Psicoterapias: Abordagen Atuais. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Marin, A. H. et al. (2012). Práticas educativas parentais, problemas de comportamento e competência social de crianças em idade pré-escolar. Estudos de Psicologia (Natal), 17(1), 05-13.

McMahon, R. J. (1996). Treinamento de pais. In: Caballo, V. E. (Org.). Manual de técnicas de terapia e modificação de comportamento. São Paulo: Editora Santos.

Montandon, C. (2005). As práticas educativas parentais e a experiência das crianças. Educação e Sociedade, 26(91), 485-507.

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2013). Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos. Mudanças–Psicologia da Saúde, 21(1), 29-40.

Partterson, R. L. (1996). A economia de fichas. In: Caballo, V. E. (Org.). Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento. São Paulo: Editora Santos.

Rios, J. B. S., Ferreira, D. F., & Batista, E. C. (2016). Práticas Educativas e Estilos Parentais: uma Revisão Bibliográfica da Literatura Brasileira. Revista Uniabeu, 9(21), 17-31.

Saffi, F., Savoia, M., & Neto, F. L. (2008). Terapia Comportamental e cognitivo-comportamental. In: Cordioli, A. V. Psicoterapias: Abordagens Atuais. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Sippe, F. E., dos Santos, J. D., de Araújo, S. C. A., & Batista, E. C. (2019). Cultura de Consumo e Construção Social da Identidade no Espaço Escolar. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, 4(2), 56-66.

Soares, D. L; Almeida, L. S. (2011). Percepção dos estilos educativos parentais: sua variação ao longo da adolescência. Anais do XI Congreso Internacìonal Gàleco-Portuguès de Psicopedagoxia. Universidade da Coruña.

Vasconcelos, A. C. D., & Souza, M. B. (2006). As noções de educação e disciplina em pais que agridem seus filhos. Psico (Porto Alegre), 37(1), 15-22.

Weber, L. (2007a). Eduque com carinho: equilíbrio entre amor e limites. 2. ed. Curitiba: Jurúa.

Weber, L. (2007b). Eduque com carinho: para crianças. 2. ed. Curitiba: Jurúa.

Weber, L. N. D., Viezzer, A. P., & Brandenburg, O. J. (2004). O uso de palmadas e surras como prática educativa. Estudos de psicologia (Natal), 9(2), 227-237.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.