curl err: Could not resolve host: 13cf3de235d7405dbeee0187511a2048.xyz A Dependência Química e as Implicações ao Funcionamento da Dinâmica Familiar: uma Visão Cognitivo – Comportamental | Cunha | Revista Enfermagem e Saúde Coletiva - REVESC

A Dependência Química e as Implicações ao Funcionamento da Dinâmica Familiar: uma Visão Cognitivo – Comportamental

Ana Paula Osowski Cunha, Dayane Fernandes Ferreira, Eraldo Carlos Batista

Resumo


O consumo de substância psicoativa está disseminado por todos os grupos sociais, faixas etárias e culturas. Com esse pressuposto, este artigo apresenta discussão resultante de pesquisa que teve por objetivo analisar, com base em revisão bibliográfica, a influência do uso de drogas na mudança da dinâmica familiar sob o prisma da Terapia Cognitivo – Comportamental (TCC) que, de acordo com a literatura investigada, pode auxiliar na compreensão e no tratamento da dependência química junto à família. Sua eficácia está no treinamento de habilidades básicas que visam a mudança de comportamento do dependente e da família para lidar com a dependência e com os problemas associados a ela.


Texto completo:

PDF

Referências


Brusamarello, T. et al. (2008). Consumo de drogas: concepções de familiares de estudantes em idade escolar. SMAD, Revista Electrónica en Salud Mental, Alcohol y Drogas, 4(1).

Figlie, N. B. (2001). O Tratamento da família na dependência química.

Garcia-Mijares, M., & Silva, M. T. A. (2006). Dependência de drogas. Psicologia USP, 17(4), 213-240.

Knapp, P. (2004). Terapia cognitivo-comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre: Artmed,

Leahy, R. L. (2006). Evocação de pensamentos e pressupostos. In: Leahy, R. L. Técnicas de terapia cognitiva: manual do terapeuta. (pp 23-54). Porto Alegre: Artmed.

American Psychiatric Association. (2002). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed.

Moreira, F. G. (2009). Drogas, família e adolescência. São Paulo: Editora Atheneu.

Mundim, M. M., & Bueno, G. N. (2006). Análise comportamental em um caso de dependência à nicotina. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 8(2), 179-181.

Muza, G. M. et al. (1997). Consumo de substâncias psicoativas por adolescentes escolares de Ribeirão Preto, SP (Brasil). I-Prevalência do consumo por sexo, idade e tipo de substância. Rev Saúde Pública, 31(1), 21-9.

Rangé, B. P., & Marlatt, G. A. (2008). Terapia cognitivo-comportamental de transtornos de abuso de álcool e drogas. Rev. bras. psiquiatr, 30(supl. 2), S88-S95.

Silva, C. J., & Serrab, A. M. (2004). Terapias Cognitiva e Cognitivo-Comportamental em dependência química Rev Bras Psiquiatr, 26(Supl I), 33-39.

Soldera, M. et al. (2004). Uso de drogas psicotrópicas por estudantes: prevalência e fatores sociais associados. Revista de Saúde Pública, 38(2), 277-283.

Wright, J. H. (2008). Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental: um guia ilustrado. Porto Alegre: Artmed.

Zanoti-Jeronymo, D. V., & Carvalho, A. M. P. (2005). Alcoolismo parental e suas repercussões sobre crianças e adolescentes: uma revisão bibliográfica. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 1(2), 0-0.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.