curl err: Could not resolve host: 13cf3de235d7405dbeee0187511a2048.xyz Assistência da Enfermagem a Paciente com Toxoplasmose Congênita | Pittelkow | Revista Enfermagem e Saúde Coletiva - REVESC

Assistência da Enfermagem a Paciente com Toxoplasmose Congênita

Greicikelly Jessica da Silva Pittelkow, Janaina Teodosio Travassos Loose

Resumo


A toxoplasmose congênita é uma infecção causada pelo contato da pessoa com fezes contaminadas de gato doméstico e que se não for tratada durante a fase gestacional, pode complicações e levar a transmissão vertical, podendo causar sérias lesões ao feto, e até mesmo leva-lo á óbito. O objetivo deste trabalho foi discutir sobre a toxoplasmose congênita, transmissão, diagnóstico e tratamento, enfatizando sobre a atuação da enfermagem nos cuidados da gestante infectada, tendo em vista, evitar a transmissão vertical e proteger o feto. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica sobre a toxoplasmose congênita extraídas das bases do Google Acadêmico, Scientific Electronic Library Online (SCIELO), Ministério da Saúde; em cartilhas da saúde, artigos, dissertações, monografias, teses e livros. Foram buscadas literaturas que abordavam de forma parcial e completa sobre a temática. O rastreio da gestante durante o período pré-natal e parto é fundamental para intervir precocemente na infecção, evitando que ela se agrave e que o feto seja afetado. Portanto, é fundamental que o médico e enfermeiro envolvidos no cuidado da gestante, atuem com cautela, sempre zelando pelo bem-estar materno-fetal, pois a toxoplasmose não é uma doença preocupante, porém, na fase gestacional ela pode trazer sérios riscos.


Texto completo:

PDF

Referências


Amendoeira, M. R. R., & Coura, L. F. C. (2010). Uma breve revisão sobre toxoplasmose na gestação. Scientia Medica, 20(1), 20.

Bártholo, B. B. R. et al. (2015). Toxoplasmose na gestação. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, 14(2).

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 5. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

BRASIL. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário terapêutico nacional 2010: Rename. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação nacional de medicamentos essenciais: Rename. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. 7 ed. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Protocolo de Notificação e Investigação: Toxoplasmose gestacional e congênita [recurso eletrônico]/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2015) Toxoplasma gondii. Disponível em: .

Brasil. Resolução SS - 200, de 6-10-2010. Disponível em:

Breganó, R. M. et al. (2010). Toxoplasmose adquirida na gestação e congênita. Londrina: Eduel.

Carvalho, A. G. M. A. et al. (2014). Diagnóstico laboratorial da toxoplasmose congênita. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, 12(1), 90-97.

Coelho, J.M.P. (2010). Toxoplasmose na gestação. [Tese de Mestrado].

Dubey, J. P. et al. (2012). Toxoplasmosis in humans and animals in Brazil: high prevalence, high burden of disease, and epidemiology. Parasitology, 139(11), 1375-1424.

Frazão, A. (2014). Tratamento para Toxoplasmose. Disponível em: .

Gonçalves, L F. (2013). Aspectos Ultrassonográficos da Toxoplasmose Congênita. News Artigos Cetrus, 5(44)9.

Lenz, M. L.M, & Flores, R. (2011). Atenção à Saúde da Gestante em APS. Porto Alegre -RS, Hospital Nossa Senhora da Conceição S.A.

Maia, L. P. et al. (2012). Soroprevalência de toxoplasmose na região do pontal do Triângulo Mineiro, Minas Gerais, Brasil. Revista de Patologia Tropical. 41(4).

Marques, B. A. et al. (2015). Revisão sistemática dos métodos sorológicos utilizados em gestantes nos programas de triagem diagnóstica pré-natal da toxoplasmose. Rev Med Minas Gerais, 25(Supl 6), S68-S81.

Melo, N. R. (2011). Manual de gestação de alto risco. FEBRASGO – Manual de Orientação Gestação de Alto Risco.

Merenda, P. H. (2010). Transmissão gestante/feto. Disponível em: .

Miranda, S.J.C. (2014. Assistência Farmacêutica. Protocolos de orientação de Tratamento de Toxoplasmose. Disponível em: .

Oréfice, F. et al. (2010). Toxoplasmose ocular adquirida: Toxoplasmose ocular pós-natal. Revista Brasileira de Oftalmologia, 69(3), 180-183.

Rey, L. (2014). Parasitologia: parasitos e doenças parasitárias do homem nos trópicos ocidentais. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Formulário Terapêutico Estadual componentes básico e estratégico da assistência farmacêutica. 2012. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/17963493/formulario-terapeutico-2012.

Silva, N.F. (2013). Atenção Farmacêutica em gestantes. [Monografia de Graduação] 94 f. Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Araraquara.

Teixeira, L. (2011). Toxoplasmose. Disponível em: .

Tuon, F.F. (2012). Toxoplasmose. Medicinanet. Disponível em: .

Zampieri, M. D. F. M. et al. (2013). Módulo VI: Enfermagem na atenção à saúde materno-fetal: pré-natal.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.