curl err: Could not resolve host: 13cf3de235d7405dbeee0187511a2048.xyz A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA | Meneguelli | Revista Enfermagem e Saúde Coletiva - REVESC

A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA

Alexandre Zandonadi Meneguelli, Sylviane Beck Ribeiro, Gilmar Alves de Lima Júnior, Eduardo de Oliveira Spirotto, Júlio Henrique Germano de Souza

Resumo


 As plantas medicinais são utilizadas com a finalidade de promover a qualidade de vida, até mesmo desde os tempos primordiais.  Este trabalho tem por objetivos apresentar a importância da utilização dos fitoterápicos na rede pública de saúde.  Portanto através de legislações, a prática e o consumo dos fitoterápicos vêm crescendo a cada ano, com o surgimento da Portaria n° 971 de 03 de maio de 2006 que aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde (SUS). Mas ainda existe um grande fator a ser superado, a alta exigência da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), para a produção, comercialização e distribuição dos fitoterápicos no SUS. A Portaria GM/MS nº 533, de 28 de março de 2012 (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais – RENAME), elenco de fitoterápicos na Atenção Básica, consta com somente 12 espécies vegetais de interesse do SUS, considerado baixo devido o Brasil ser considerado um dos países com a maior biodiversidade do mundo. Os principais problemas que dificultam os avanços dos produtos fitoterápicos no SUS são a falta de políticas públicas estaduais e municipais e a falta de interesse dos gestores dessas secretarias em cumprirem também a legislação federal em vigor.

 


Palavras-chave


Fitoterapia; Saúde pública; Sistema Único de Saúde.

Referências


ALBUQUERQUE, Vamberto Luís Medeiros de. A Utilização de Fitoterápicos nas Unidades de Saúde da Família do Município de Alagoa Grande- PB. 2011. 22 f. Monografia (Especialização) - Curso de Especialização em Gestão Pública Municipal, Departamento de Departamento de Economia, Universidade Federal da Paraíba, Alagoa Grande, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. 12.ª Conferência Nacional de Saúde: Conferência Sergio Arouca: Brasília, 7 a 11 de dezembro de 2003: relatório final / Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

_______. Ministério da Saúde. Constituição (2010). Portaria nº 886, de 20 de Abril de 210. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Atenção Básica – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2006. 136 p.: il. – (Série C. Projetos, Programas e Relatórios , 1ª edição ) .Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 60 p. – (Série B.). Textos Básicos de Saúde (1ª edição).

CARVALHO, Ana C. B. BALBINO, Evelin E; MACIEL, Arthur; PERFEITO, João P.S. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, Brasília, v. 2, n. 18, p.314-319, 28 abr. 2008. Bimestral.

CEARÁ. Constituição (2012). Decreto Nº 30.016, de 30 de dezembro de 2009. Regulamenta a Lei Estadual Nº 12.951, de 07 de outubro de 1999, que dispõe sobre a Política de Implantação da Fitoterapia em Saúde Pública no Estado do Ceará. Ceará, CE.

DISTRITO FEDERAL. Constituição (2008). Resolução Nº 08/2008, do Conselho de Saúde do Distrito Federal, publicada no DODF nº 72 em abril de 2008.Aprova o Plano Estadual de Homeopatia, cujo objetivo é ampliar o acesso dos usuários do SUS-DF ao atendimento homeopático. Distrito Federal, DF.

ESPÍRITO SANTO. Constituição (2008). Lei Nº 7.684 da Câmara Municipal de Vitória, Estado do Espírito Santo, de 03 de junho de 2009.Dispõe sobre a institucionalização da Política Municipal de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos e dá outras providências. Espírito Santo, ES.

ESPÍRITO SANTO. Constituição (2008). Resolução Estadual nº 543/2008 doConselho Estadual de Saúde do Espírito Santo.Aprova a Proposta de Institucionalização da Política das Práticas Integrativas e Complementares: homeopatia, acupuntura e fitoterapia, no Estado do Espírito Santo. Espírito Santo, ES.

KLEIN, T.; Longhini, R.; Bruschi, M.L.; Mello, J.C.P. Fitoterápicos: um mercado promissor. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Maringá, V. 30, n.3, p. 241-248, jul.2009.

MINAS GERAIS. Constituição (2008). Portaria nº 1444, de 24 de março de 2008, da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais.Institui Comissão para elaborar a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, do Estado de Minas Gerais. (Em avaliação nas instâncias estaduais/municipais de saúde). Minas Gerais, MG.

MINAS GERAIS. Constituição (2009). Resolução Nº 1885, de 27 de maio de 2009, da Secretaria Estadual de Saúde do Estado de Minas Gerais. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares. Minas Gerais, MG.

PARA. Constituição (2010). Decreto Estadual, nº 2618 de 25/11/2010. Aprova a Política Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Para, PA.

RIO DE JANEIRO. Constituição (1997). Decreto Estadual nº 23.052 de 16 de Abril de 1997.Regulamenta a Lei 2.537, de 16 de abril de 1996, que cria o Programa Estadual de Plantas Medicinais. Rio de Janeiro, RJ. . Acesso em: 01 mai.2014.

RIO DE JANEIRO. Constituição (2009). Lei Estadual n º 5471, de 10 de junho de 2009. Estabelece no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, a criação do Programa de Terapias Naturais. Rio de Janeiro, RJ. < http://gov-rj.jusbrasil.com.br/legislacao/711749/lei-5471-09>. Acesso em: 01 mai.2014.

SÃO PAULO. Constituição (2004). Lei Municipal nº 13.717, de 08 de Janeiro de 2004.Dispõe sobre a implantação das Terapias Naturais na Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, e dá outras providências. São Paulo, SP, Disponível em . Acesso em 01mai.2014.

SÃO PAULO. Constituição (2007). Lei nº 12.739, de 01 de novembro de 2007. Autoriza O Poder Executivo A Criar O Programa Estadual de Fitoterápicos, Plantas Medicinais e Aromáticas. São Paulo, SP, Disponível em: . Acesso em: 01 mai.2014.

SÃO PAULO. Constituição (2008). Decreto nº 49.596, de 11 de junho de 2008. Regulamenta A Lei Nº 14.682, de 30 de Janeiro de 2008, Que Institui, no âmbito do Município de São Paulo, O ProgramaQualidade de Vida Com Medicinas Tradicionais e Práticas Integrativas em Saúde. São Paulo, SP, Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2014.

SÃO PAULO. Constituição (2008). Lei Nº 14.682, de 30 de janeiro de 2008. Instituiu no âmbito do Município de São Paulo, o Programa Qualidade de Vida com Medicinas Tradicionais e Práticas Integrativas em Saúde. São Paulo, SP. Disponível em < http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=31012008L%20146820000>. Acesso em 01mai.2014

SÃO PAULO. Constituição (2009). Lei Nº 14.903, de 06 de fevereiro de 2009.“Dispõe sobre a criação do Programa de Produção de Fitoterápicos e Plantas Medicinais no Município de São Paulo e dá outras providências”. São Paulo, SP.< http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=8151>. Acesso em 01 mai.2014.

SÃO PAULO. Constituição (2010). Lei nº 770, de 24 de novembro de 2010. Institui, no âmbito do Estado de São Paulo, a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde e dá outras providências. São Paulo, SP, Disponível em . Acesso em 01 mai.2014

TOMAZZON, Marisa Ines; NEGRELLE, Raquel Rejane Bonato; CENTA, Maria de Lourdes. Fitoterapia Popular: A Busca Instrumental Enquanto Prática Terapêutica. Fitoterapia Popular: A Busca Instrumental, Florianópolis, v. 1, n. 15, p.115-121, fev. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.