Estágio Básico em Psicologia em Contexto Social: Um Relato de Experiência

Carla Reis Maia, Ketlin Dartore, Eraldo Carlos Batista

Resumo


O CRAS é responsável por coordenar as atividades assistenciais em seu território de abrangência. O CRAS pertence à rede de proteção social básica e tem o objetivo de atender famílias em situação de vulnerabilidade, bem como, realizar atividades de prevenção de situações de violência, através do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários e do desenvolvimento das potencialidades do sujeito. O objetivo deste artigo foi relatar a experiência vivida durante a realização do estágio básico I em psicologia num CRAS no município de Tangará da Serra - MT.  Durante o estágio foi possível conhecer melhor a atuação do psicólogo social dentro de um CRAS e compreender várias realidades sociais, as quais são voltadas a fatores de carência da população, explicar as políticas sociais, as funcionalidades da instituição e seus desafios. Conclui-se que o estágio básico I em psicologia proporcionou às acadêmicas envolvidas a superação entre teoria e prática ao aproximá-las da realidade. Contudo, mesmo que o estágio realizado é considerado em sua essência apenas de observação foi possível, sim, em alguns momentos participar de pequenas intervenções.


Palavras-chave


Estágio Básico. Psicologia Social. Centro de Referência Social

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, R. P., Henriques, R., & Mendonça, R. (2000). Desigualdade e pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Revista brasileira de ciências sociais, v. 15, p. 123-142,

Bock, A. M. B. et al. (2007). Silvia Lane e o projeto do compromisso social da Psicologia. Psicologia & Sociedade, 19, 46-56.

Bock, A. M. B., Furtado, O., & Teixeira, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

Brasil. (2014) Secretaria Especial do Desenvolvimento Social. Centro de Referência de Assistência Social – CRAS.

Brasil. (1993). Benefício de Prestação Continuada (BPC - LOAS). Santa Catarina.

Brasil. (2002). Constituição Federal de 1988. Brasília: Senado Federal.

Brasil. Lei Orgânica da Assistência Social. Lei n. 8.742, de 07 de dezembro de 1993.

Brasília: MPAS/SAS.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2005). Política Nacional de Assistência Social (PNAS). Norma Operacional Básica (NOB/SUAS). Brasília.

Brasil. (2009). Orientações Técnicas: Centro de Referência de Assistência Social: CRAS/ Ministério do Desenvolvimento Social e combate à fome. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil. Ministério da Cidadania. (2015). CRAS. Secretaria Especial do Desenvolvimento Social. Brasília.

Castro. F. J. R. (2007). Proposta de Modelagem de Processo de Construção de CRAS. Brasília, MDS/UNESCO.

Eizirik C.L., Nunes, M. L. T., & Zaslavsky J. (2003. A supervisão psicanalítica: revisão e uma proposta de sistematização. Revista de Psiquiatria, vol. 25, n. 2, p. 297-309.

Ferreira, M. C. (2011). Breve história da moderna psicologia social. In: Torres, C. V., & Neiva, E. R. (Orgs.). Psicologia Social: principais temas e vertentes. Porto Alegre: Artmed, p. 13-30.

Godinho, I. C. (2011). O serviço social e o desenvolvimento: pobreza e desigualdade social no Brasil: um desafio para as Políticas Sociais. Rio de Janeiro.

Lane, S. T. M. (1996). Histórico e fundamentos da psicologia comunitária no Brasil. In: Campos, R. H. F. (Org.). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes, p. 17-34.

Lane, S. T. M. (2006). O Que é Psicologia Social. Editora Brasiliense S. A. São Paulo.

Martínez. A. M. (2009). Psicologia e compromisso social: desafios para a formação do psicólogo. São Paulo: Cortez.

Mello, S. L. Psicologia: características da profissão. In: Yamamoto, O. H., & Costa, A. L. F (Orgs.). Escritos sobre a profissão de psicólogo no Brasil. Natal, RN: EDUFRN, 2010.

Milanesi, Irton. (2012). Estágio supervisionado: concepções e práticas em ambientes escolares. Educar em revista, p. 209.

Militão. A, & Militão. R. (2013). Jogos, Dinâmicas & Vivências Grupais. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora.

Monteiro, N. R. O., & Nunes, M. L. T. (2008). Supervisor de psicologia clínica: um professor idealizado? Psico-USF, vol. 13, n. 2, p. 287-296.

Nascimento, A. S., Santos, C. D. J., & Silva, M. D. C. P. D. (2019). Relatório Final De Estágio Supervisionado I e II No Centro De Referência De Assistência Social (Cras) Zilda Arns.

Núñez, I. B. (2009.). Vygostky, Leontiev e Galperin: formação de conceitos e princípios didáticos. Brasília, DF: Liber Livro.

Pimenta, S. G., & Lima, M. S. L. (2004). Estágio e Docência. São Paulo: Cortez.

Oliveira, A. A. et al. (2018). Psicologia Social no Brasil: Principais Tendências e Perspectivas. Revista Científica FAEST–RECF ISSN, v. 2319, p. 0345.

Reis, C., & GuareschI, N. M. F. (2010). Encontros e desencontros entre Psicologia e Política: formando, deformando e transformando profissionais de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 30, p. 854-867.

Sarriera. J. C., & Saforcada. E. T; et al. (2008). Introdução à Psicologia Comunitária: Bases teóricas e metodológicas. Buenos Aires: Paidós SAICF.

Scott, J. B; et al. (2019). Desafios da atuação do psicólogo em centros de referência da assistência social (CRAS). Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, v. 12, n. 1, p. 125-141.

Torres, L. V. P., Lima, J. R. T., & de Lima Breda, R. (2020). Pandemia e desigualdade social. P2P e Inovação, 7, 161-183.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.